Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

sábado, 15 de novembro de 2008

Deuses superinteressantes: a religião na perspectiva da Revista Superinteressante - edições de 2000 a 2002

Deuses superinteressantes: a religião na perspectiva da Revista Superinteressante - edições de 2000 a 2002

Helvânia Ferreira Aguiar

Dissertação de Mestrado em Ciência da Religião (PUC-SP).

Data da defesa: 07/06/2006.

Resumo: Esta dissertação tem como objetivo investigar a cobertura dada pela revista Superinteressante à temática religiosa e caracterizar o tipo de visão que a publicação veicula acerca da religião. A partir dos anos 90, a revista ampliou o espaço e a freqüência dos temas religiosos em suas páginas, sobretudo, no triênio 2000, 2001 e 2002. Partindo dessa constatação, formulamos as questões que nortearam a pesquisa: Quais as principais temáticas religiosas que aparecem em suas páginas? Elas refletem de alguma forma a inquietude espiritual da sociedade pós-moderna? A abordagem da religião por Superinteressante tende ao espetáculo? A revista supre uma lacuna no mercado editorial, levando-se em conta que é uma publicação laica, mas que trata freqüentemente de religião? Nossas suposições preliminares apontam para uma cobertura jornalística da temática religiosa que oscilaria entre a tentativa de aprofundamento e a espetacularização/superficialidade da informação, o que refletiria a inquietude espiritual e o tipo de religiosidade que permeia a sociedade pós-moderna, com forte inclinação para a elaboração de referenciais de crença bastante particulares e individuais. Nesse aspecto, a revista supriria, também, uma lacuna no mercado editorial ao tratar da religião sem proselitismo, ao contrário dos veículos institucionais, de tom confessional. Para investigar o fenômeno, trabalhamos com duas linhas interpretativas: uma voltada para a análise de conteúdo por meio de referenciais teóricos multidisciplinares indicados pelas Ciências da Religião, baseados nas obras de Guy Debord, Anthony Giddens, Zigmunt Bauman e Gianni Vattimo; e outra voltada para a análise de conteúdo balizada por referenciais advindos do Jornalismo. Na primeira tentou-se estabelecer características específicas do objeto de estudo e na segunda, seus aspectos gerais. O primeiro capítulo visa traçar um perfil abrangente da revista. O segundo analisa o conteúdo das reportagens, privilegiando o olhar das Ciências da Religião. No terceiro, busca-se o contraponto, com uma análise quantitativa sob o enfoque do Jornalismo e no quarto capítulo dá-se o cruzamento dessas duas vertentes teóricas.


Nenhum comentário: