Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

21 de janeiro: Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, 21 de janeiro, foi instituído pelo presidente da República, com a Lei Nº 11.635, em 27 dezembro de 2007. A data deve ser celebrada anualmente em todo o território nacional, fazendo parte do Calendário Cívico da União para efeitos de comemoração oficial.


Justificativa: Esta data foi escolhida em homenagem à Mãe Gilda de Ogum, sacerdotisa do Terreiro Ilê Axé Abassá. Veja porque. Em 1992, Mãe Gilda participou da manifestação a favor do impeachment para a deposição do então presidente Fernando Collor de Mello quando foi clicada por algum fotografo, a imagem acabou estampando seu rosto na Revista Veja, sete anos depois por volta de setembro de 1999 para surpresa da yalorixá na época com 65 anos de idade a mesma imagem aparece estampada no Jornal Folha Universal, na foto uma tarja preta sobre o rosto de mãe Gilda e a frase: "Macumbeiros e charlatões lesam a vida e bolso de clientes'', mãe Gilda faleceu no dia 21 de janeiro de 2000 um dia depois de assinar a procuração para iniciar uma ação contra a igreja Universal do Reino de Deus, sua filha a Yalorixá Jaciara Ribeiro dos Santos ficou sendo a representante do espolho de mãe Gilda levamos a Igreja Universal aos tribunais como réu condenando-a a igreja e a gráfica a pagarem 1.372.000.00 e a publicarem a sentença na capa do jornal por duas edições seguidas os desembargadores decidiram manter a condenação contra ambas reduzindo o valor da indenização para 960.000.00 que é o valor máximo adotado pelo TJ-BA em indenização por danos morais, eles recorreram e não querem pagar alegando que a yalorixá já está morta não tem direito algum. (Extraído de GPERNEWS 340, em 19/01/2012).


Veja mais:

Nenhum comentário: