Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

domingo, 11 de maio de 2008

Deuses indianos em dieta forçada

Oferendas nos templos minguam diante da alta dos preços

Florência Costa, Correspondente

O Globo, O Mundo, página 44, em 11/05/2008.

NOVA DÉLHI e NAINITAL, Índia. Os indianos costumam tratar seus milhões de deuses e “animais-deuses” com muitas oferendas, principalmente comida.

No país onde 80% dos 1,1 bilhão de habitantes seguem o hinduísmo, as sagradas vacas vivem em torno dos templos à espera dos alimentos deixados pelos fiéis diante das imagens de seus deuses preferidos.

Um intenso comércio cerca os templos, com vendedores ambulantes e lojinhas que vivem da venda de doces, flores, frutas, muitas vezes em kits em cestas de palha. Mas nos últimos meses o demônio da alta dos preços tem assustado os hindus. Em Nainital, aos pés do Himalaia, há muita gente rezando, mas poucas oferendas. Diante da estátua de dois metros do deus-macaco Hanuman, apenas duas bananas.

— Geralmente há muito mais. Além de bananas, as pessoas costumavam oferecer laddus (doce feito de farinha de trigo, açúcar e manteiga) — lamenta o religioso Ravi Mishra.

A inflação — representada na Índia por um touro furioso — tem deixado as vacas e os deuses à míngua, numa verdadeira dieta forçada. Só em Nova Délhi há um exército de vacas soltas nas ruas: cerca de 30 mil. O touro, que também é animal sagrado, engordou tanto que chegou a 7,6% — um recorde em quatro anos. A facada no bolso é grande: 32% da renda familiar vão em gastos com comida.

Nas lojinhas coladas ao Templo Naina Devi, os vendedores têm tido trabalho para convencer os fiéis a desembolsar US$ 4 por uma caixa de laddu. Ou US$ 3,5 por uma cesta com coco, arroz doce e incenso.

— As pessoas compram em menor quantidade. Só consigo vender as mais baratas e mesmo assim porque passei a oferecer brindes — lamentou Gyan Sharma.

Nenhum comentário: