Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

quarta-feira, 30 de abril de 2008

Diálogo inter-religioso, valor emergente na Indonésia

Afirma o presidente da Conferência Episcopal, Dom Martinus

Por Nieves San Martín

ROMA, quarta-feira, 30 de abril de 2008 (ZENIT.org).- Na Indonésia, o diálogo inter-religioso é um dos aspectos emergentes e foi apresentado como modelo. Deste e outros aspectos sociais e políticos falou em uma entrevista, publicada nesta quarta-feira por «L’Osservatore Romano», o presidente da Conferência Episcopal da Indonésia, Dom Martinus Dogma Situmorang.

Sobre a situação política e social do país, Dom Martinus Dogma afirma que existe um processo democrático em curso: «O Governo foi eleito diretamente pelo povo, pela primeira vez na história. Há muita esperança, portanto, na ação política, mas os resíduos negativos do passado em muitos campos, a mentalidade corrupta, os interesses econômicos dos partidos, a imensa vastidão da nação e o número tão elevado da população, com todos os problemas que isso comporta, exigem um grande esforço».

Acerca do papel da religião, o bispo indonésio sublinha que «é capaz de unir, de pacificar, de mover o conjunto de pessoas. Mas a religião, como fé e como força moral, não tem infelizmente muita incidência na vida diária de quem manda: isso se vê em seus comportamentos, não gostam de servir, mas de ser servidos e, por isso, há muita corrupção em todos os níveis».

Ainda assinala que «a religião é às vezes manipulada com fins políticos, para criar leis que discriminam os cidadãos».

O motivo de que a Indonésia tenha sido apresentada como modelo de diálogo inter-religioso está, em primeiro lugar, assegura Dom Martinus, em que «a maioria dos muçulmanos que vivem na nação é moderada. Os líderes islâmicos são moderados em geral, abertos e não muito ligados ao Oriente Médio, ou ao islamismo de teor político».

«O islamismo na Indonésia – acrescenta – é sobretudo cultura: a religião muçulmana formou a cultura popular em muitíssimas áreas do país. O diálogo inter-religioso na Indonésia é exemplar porque os muçulmanos, em geral, não monopolizam a vida social. Há esforços bastante honestos para viver como irmãos com os que pertencem a religiões e culturas diversas.»

Sugere que «se organizem encontros entre líderes religiosos para discutir as próprias relações entre as religiões, para afastar os conflitos abertos e perigosos e para reforçar a cooperação no campo da solidariedade com relação à população que sofre».

Ainda assim, reconhece que o diálogo «não é simples e não se dá sempre em todos os lugares e com o mesmo aprofundamento e a mesma fecundidade».

O Papa, por ocasião do encontro com o novo embaixador indonésio, sublinhou que é necessária uma constante vigilância por parte de todos para garantir a liberdade de religião aos católicos.

A este respeito, o bispo indonésio afirma que «não estamos no paraíso», mas «vivemos muito melhor que em outros países com maioria muçulmana. Temos certa liberdade e temos espaço para levar adiante os compromissos sociais humanitários, como forma da fé vivida, como serviço à humanidade».

Assinala o problema da acusação de proselitismo contra os cristãos, que «é freqüentemente usada para limitar seus movimentos», enquanto que a islamização por sua parte se realiza de forma muito clara. Outro problema é que, «nos últimos anos, muitos lugares de oração foram objeto de destruição e a concessão de permissões para construir novas igrejas se torna cada vez mais difícil».

Segundo o prelado indonésio, quanto ao futuro do país, «a Indonésia avança no caminho da modernização» e «é necessário um governo forte e democrático, com uma distribuição do poder clara que permita a guia e a direção do país e não perder energias, tempo e dinheiro em debates políticos que se manifestam como pouco educativos e formativos».

Nenhum comentário: