Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Nunca mais (Sérgio Niskier)

O Globo – Opinião, 5ª-feira, 24 de janeiro de 2008 - página 7.

Nunca mais

SÉRGIO NISKIER

Passados 60 anos da liberta­ção do campo de concentra­ção de Auschwitz, no Sul da Polônia, ainda encontramos quem conteste a existência do Holo­causto e pregue abertamente as teo­rias nazistas. E não apenas nos rin­cões afastados da civilização, sem maiores oportunidades de acesso à informação. Os idólatras de Hitler se encontram em todos os lugares, até mesmo aqui, em nossa Cidade Mara­vilhosa. Não podemos minimizar o assunto. Esses indivíduos não são pobres coitados ignorantes, descul­pa dada multas vezes para se tentar esconder a gravidade do problema. São políticos, Intelectuais, professo­res, jornalistas, que têm em comum o vírus do preconceito.

Muitas vezes disfarçados de de­mocratas, não escondem o ódio ra­cista. E isso ocorre em diversos lu­gares do mundo. O Irã faz campanha de mídia para aproveitar a ignorân­cia e a preguiça da sociedade em uma tentativa de apagar da História uma das maiores tragédias já ocor­ridas na Humanidade. Auschwitz é sinônimo de besta e de fera. Nos remete ao que de pior pode haver no género humano. Durante a Segunda Guerra Mundial, no período do Holocausto, mais de 50 milhões de pessoas morreram vitimadas pela loucura nazista. Mortos não apenas nos campos de batalha, mas também de forma metódica, industrial, em fornos crematórios, câmaras de gás, tortura indiscrimi­nada, fuzilamentos, enforcamentos, experiências médicas ultrajan­tes, fome, doença. Grupo escolhido como bode expiatório, os ju­deus sofreram a maior perda com 6 milhões de assassinados, entre eles 1,5 milhão de crianças. Mas não estavam sós na destruição de suas vidas vitimadas pelo preconceito. A criminosa fúria racista atingiu indiscriminadamente testemunhas de Jeová, ciganos, homossexuais, comunistas, negros, opositores do regime nazista. O racismo nunca atinge um único grupo.

A intolerância é uma praga que é uma praga que contamina a sociedade. À ninguém deve ser dado o direito de não aprender com a História. Ao nos de­frontarmos com o preconceito, con­tra quem quer que seja, por menor que seja, estamos sendo todos atin­gidos, ainda que naquele momento a ação não nos atinja diretamente. Devemos reagir imediatamente e sempre de forma solidária. Sem hesitação e sem medo. Sem o silêncio dos covardes.

Nosso país ocupa um papel importante no cenário das nações. A participação brasilei­ra nos campos da Euro­pa durante a Segunda Guerra Mundial foi co­berta de glórias. Nosso sangue também foi der ramado para garantir o fim do fascismo e do risco de o mundo se tornar um im­pério da maldade e do ódio. Tam­bém somos vítimas do Holocausto. O Reich tornou legal odiar, discrimi­nar, matar por preconceito, torturar, destruir. E isso não aconteceu em algum local intelectual e financeiramente atrasado. Ocorreu em um país onde os desenvolvimentos téc­nico, científico, cultural e social eram dos maiores do mundo.

No Brasil, mostramos com uma le­gislação anti-racista, a Lei Caó, que nosso povo não aceita conviver com o ódio. Outras leis e medidas, em vá­rios estados, garantem a resposta legal e policial contra o preconceito. Um exemplo é a criação dentro da estrutura do Estado de órgãos onde governo e sociedade civil se unem para lutar contra o racismo, como o Conselho Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, dentro da SEPPIR, criada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pela participação histórica do Brasil na luta pelas causas libertárias e pelo fim do preconceito dentro de nossas fronteiras, precisamos mostrar a voz brasileira, de forma clara e transparente, hon­rando nosso passado de luta, e dizendo: Holocausto nunca mais.

SÉRGIO NISKIER é presidente da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (FIERJ). http://www.fierj.org.br/


B´nai B´rith Press (BB Press) – 24/01/2008.
Presidente Lula vai ao RJ para cerimônia sobre Holocausto
A FIERJ e o Centro de Informações da ONU no Rio de Janeiro vão realizar na sexta-feira (dia 25 de janeiro), às 10:30h, uma cerimônia pelo `Dia Internacional de Lembrança às Vítimas do Holocausto`, instituído pela ONU. O evento, que acontecerá no Palácio Itamaraty, constará da inauguração da exposição `Holocausto nunca mais`, organizada pelo Museu Judaico do Rio de Janeiro, de um ato cívico com a presença de autoridades, entre as quais o presidente Lula e os governadores Sergio Cabral, do Rio de Janeiro, e Jacques Wagner, da Bahia; da entrega de duas medalhas simbólicas de reconhecimento da comunidade judaica ao empenho das forças armadas e da diplomacia brasileira no combate ao nazismo e do acolhimento aos sobreviventes que escaparam da II Guerra Mundial.

B´nai B´rith do Brasil participa do evento
A B´nai B´rith do Brasil participa da cerimônia, sendo representada pelo co-presidente Abraham Goldstein, que estará presente juntamente com muitos membros das Lojas Albert Einstein e Herut, da B´nai B´rith do Rio de Janeiro.

Solenidade será transmitida ao vivo pela TV e Internet
O evento do Dia Mundial em Memória das Vítimas do Holocausto desta sexta-feira, será transmitido ao vivo pela Rabiobrás, no canal 4 da NET a partir das 10h30. Também poderá ser assistido em qualquer lugar do mundo ao vivo pela internet no site www.radiobras.gov.br Participe.

Nenhum comentário: