Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Ordenar progredindo: a obra dos intelectuais de umbanda no Brasil da primeira metade do século XX

Anos 90 - Vol. 7, No 11 (1999)

Ordenar progredindo: a obra dos intelectuais de umbanda no Brasil da primeira metade do século XX

Artur Cesar Isaia (UFSC)

Em um estudo sobre a terapia mediúnica praticada no Rio de Ja­neiro na virada do século, Donald Warren fazia menção a uma persis­tência de longa de duração que se afirmava nos significados secularmente compartilhados pela população brasileira. Tratava-se da manutenção de um cotidiano impregnado de sentido mágico, da familiaridade com o mundo dos espíritos e com toda uma gama de manifestações típicas da crença na atuação de "entidades rarefeitas”. Ao meio marcado por tal imaginário, onde o sobrenatural impunha-se como recorrente e no qual espíritos, encantados e orixás povoavam as tramas humanas, o autor referia-se como''espiritualista reflexo". É, justamente, inserida na parti­lha desses significados, em um meio urbano que se afirmava e frente a um mercado religioso que ganhava em complexidade, que a Umbanda vai adquirir visibilidade no Brasil da primeira metade do século XX. A emergência da Umbanda revelava uma religião em torno da qual persis­tiam uma série de significações capazes de remetê-la ao submundo, à marginalidade c à sobrevivência de valores atávicos, denunciadoras do atraso e da ignorância. É nesse contexto que surge a obra dos intelectu­ais da nova religião, inseridos em um esforço visando ao reconhecimen­to social e à ruptura com significações capazes de enxergar na invoca­ção dos espíritos uma incómoda familiaridade com a transgressão. >>> Leia mais, clique aqui.


Nenhum comentário: