Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Translate

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Seguidores

sábado, 10 de maio de 2008

Violência e diálogo das religiões; Um projeto de paz

Violência e diálogo das religiões; Um projeto de paz
Autor:
Xabier Pikaza Ibarrondo
Editora: Paulinas
Sinopse: O livro tem dois eixos ou centros. O primeiro é o estudo da paz e da violência como realidades específicas do homem, como se observa no decurso da evolução das espécies e por toda a história da humanidade até a época recente. O segundo eixo é constituído pelo estudo das religiões, não em si mesmas, mas em sua relação com a violência e a busca da paz. Elas trazem em suas entranhas um anseio de reconciliação universal, embora às vezes tenham sido, e continuem a ser, portadoras de conflitos e discórdias.
Atualmente, neste século XXI, sob a ameaça certa da bomba (atômica, genética e social) e da destruição do sistema ecológico, e diante do possível risco que cerca as religiões (fundamentalismos e terrorismos), não estamos mais certos do futuro. Poderiam as religiões trazer para a humanidade uma esperança de superação dos conflitos que garantiria a sobrevivência do planeta?
Para responder a essa questão, hoje premente, o autor procura se situar entre razão e religião, sistema e graça, como sendo o lugar em que se podem decidir nosso ser atual e nosso futuro. A natureza (ou Deus) nos ofereceu a vida, e nós, homens, continuamos arriscando modelá-la e avançar com ela, embora corramos o risco de rompê-la e de romper-nos.
Depois de apresentar a história humana como uma espiral de violência, o autor analisa a tradição israelita e o judaísmo como paradigmas de violência e paz extrema, e procura mostrar que os monoteísmos cristão e islâmico se apresentam como caminhos de paz, embora possam levar a formas de extrema violência capitalista ou fundamentalista.
Passa então em revista as religiões orientais (taoísmo, hinduísmo, budismo), que oferecem um contraponto de mística e mistério que pode nos ajudar a vencer os desafios e os problemas do capitalismo global que nos domina. Finalmente conclui retomando os temas anteriores num projeto de paz universal, inspirado na tradição judaico-cristã.

Nenhum comentário: